Com organização, planejamento e disciplina, é possível melhorar a gestão do tempo em sala de aula para focar na qualidade da educação.

Um docente enfrenta, dentro de sala de aula, uma série de complexos desafios inerentes à profissão. Além da necessidade de dominar a oratória e ser capaz de engajar e manter a atenção dos alunos, ele precisa conseguir fazer uma boa gestão do tempo para garantir o andamento das aulas e bons índices de aprendizado.

Alguns números reforçam o tamanho deste desafio. Segundo dados da OCDE, o professor brasileiro gasta em média, 20% do seu tempo em sala disciplinando os alunos. Somadas às tarefas burocráticas como chamada, por exemplo, sobra à ele, para ensinar, apenas 67% do tempo total disponível para as aulas.

Parece assustador, certo? No entanto, com algumas estratégias simples e acessíveis, um pouco de disciplina e bastante planejamento, é possível reverter este cenário e tornar o período em sala mais produtivo e eficaz. A seguir, separamos algumas dicas para ajudar no processo.

Dicas para melhorar a gestão do tempo em sala de aula

Planeje as aulas com antecedência

O primeiro e mais importante passo é que o docente seja capaz de planejar com cuidado e antecedência o conteúdo que será ministrado em cada uma de suas aulas.

Neste planejamento, é importante que ele consiga calcular quanto tempo pretende gastar na exposição dos assuntos, o espaço utilizado para realização de exercícios e outras atividades, bem como as janelas para participação dos estudantes.

Algumas perguntas podem ajudar bastante neste cálculo e planejamento, como por exemplo: “Quanto tempo vou elencar para cada uma das atividades?”, “Quais são as alternativas que tenho caso a aula seja interrompida por dúvidas ou imprevistos?”, “Quais são os materiais necessários para o bom andamento da aula?”, “Qual a melhor forma de gerar engajamento com estes conteúdos?”.

A pergunta sobre o engajamento é bastante importante, pois é a partir dela que o educador construirá o raciocínio sobre como evitar distrações e, consequentemente, reduzir a indisciplina. Aqui, não custa lembrar que quanto maior o engajamento, menor a dispersão e consequentemente, mais bem aproveitado é o tempo em sala de aula!

E para que a execução saia o mais próximo possível do planejado, uma boa dica é praticar a aula com antecedência, em casa, tanto sozinho quanto com um público de teste, sempre que possível.

Também ajuda muito buscar formas de deixar claro para os estudantes qual é o tempo disponível para a realização de cada atividade, através do diálogo e de marcações de transição, para que cada um deles tenha a clareza do princípio, do meio e do fim de cada uma das etapas programadas.

Conheça bem as turmas para as quais leciona

Outra importante (e desafiadora) dica é que o professor se esforce, diariamente, para conhecer bem as turmas que leciona e o perfil individual de cada aluno da sala.

Entender quais são as peculiaridades, quais são os pontos de maior cuidado e atenção, o ritmo de aprendizado individual, e por aí vai. Isso envolve praticar a observação ativa e constante e demanda que o docente procure dicas com outros colegas que já lecionaram naquela turma sobre os melhores caminhos para que o tempo seja bem aproveitado.

Direcione as discussões em sala de aula

Um dos pontos chaves para o engajamento dos alunos é fomentar a participação deles em discussões. No entanto, é fundamental que o professor, enquanto mediador, seja capaz de conduzi-las de maneira saudável e objetiva, para que a conversa não tome rumos pouco produtivos e o foco central da aula se perca.

Frases como “temos tempo para mais duas perguntas”, ou “alguém gostaria de fazer mais um comentário”, por exemplo, ajudam bastante organizar a participação e a evitar atropelos.

Aliado a isso, é importante também que o educador tenha uma boa capacidade de improviso, já que nem sempre o andamento da aula seguirá o que foi proposto. É preciso saber os momentos certos de atuar dentro do roteiro definido e as horas de implementar pausas e permitir participações.

Estimule o estudo fora de sala de aula

Além de planejar a própria rotina, um bom professor pode estimular que os seus estudantes se mantenham engajados com as atividades que se desenrolam fora da sala de aula, para que eles cheguem no ambiente mais preparados para as discussões que serão feitas naquele dia.

Recentemente, publicamos aqui no blog um artigo sobre Sala de Aula Invertida que pode ser bastante úteis para auxiliar neste processo.

Utilize a tecnologia ao seu favor

Hoje em dia, a tecnologia se tornou uma grande aliada da educação e da escola, e pode ajudar bastante na gestão do tempo, seja para planejar melhor as aulas, seja para deixa-las mais versáteis e dinâmicas.

Um bom exemplo disso é o sistema ADIRA. Com ele, os seus docentes ganham mais agilidade e praticidade nos lançamentos diários de faltas e notas, sobrando mais tempo para planejar.

No final das contas, o mais importante é que cada professor identifique a estratégia que melhor se adequa ao seu perfil e rotina na escola, e que a implemente com dedicação e disciplina, fazendo com que a qualidade do ensino prevaleça e que o tempo dentro de sala seja aproveitado, em sua maior parte, em prol da aprendizagem.